NOTA DE REPÚDIO: Demolição da antiga Sede das Centrais Elétricas de Goiás (Celg)

Localizada na zona oeste de Goiânia (Av. Anhanguera, 7171), a antiga Sede das Centrais Elétricas de Goiás (Celg) é uma construção marcante da arquitetura moderna na cidade de Goiânia, construída na década de 1950 e projetada pelo engenheiro Oton Nascimento.

A obra está localizada dentro de um circuito com outras obras relevantes como o Lago das Rosas, a antiga estação rodoviária (hoje sede do Corpo de Bombeiros), o Teatro Inacabado e o antigo edifício que abrigou a sede do IPHAN (demolido no início dos anos 2000). Segundo Lucas Jordano, professor na Universidade Federal de Goiás (UFG): “Apesar das limitações financeiras, tecnológicas e de mão de obra especializada, a sede da Celg é uma vitória da engenharia e da arquitetura da década de 1950”

O edifício possui características do estilo modernista, como o uso de cobogós e brises, painéis de vidro, integração dos ambientes internos e externos. Além disso, em seu interior existe um painel produzido pelo artista frei Nazareno Canfaloni, precursor e pioneiro das artes no estado de Goiás. Essa arte já foi alvo de vandalismo desde o abandono do edifício, segundo o delegado titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente (DEMA), Luziano Silva.

A ameaça à integridade desse o patrimônio é resultado de uma série de desmontes ao estado iniciados em 2016, com a privatização da Celg e a venda do bem em leilão para as empresas Construtora e Incorporadora Merzian LTDA, Oliveira Melo Engenharia e Linknet tecnologia e telecomunicação LTDA e Construtora e Incorporadora Santa Teresa LTDA. Este grupo de empresas possuem a intenção de demolir o edifício para a construção de um shopping.

O edifício encontra-se atualmente em processo de tombamento, com o objetivo de evitar o desaparecimento de uma obra moderna tão marcante na memória afetiva e identidade goianiense. Apesar disso, o abandono, a depredação e os interesses privados tem avançado e ameaçado a integridade do edifício.

Em meio a esse processo de abandono, o CAU/GO encaminhou a 15ª Promotoria de Justiça de Goiânia em março de 2020 uma nota de repúdio ao estado de conservação do edifício, pedindo providências quanto as depredações que vem chamando atenção da população local, pesquisadores e órgãos patrimoniais. Em consonância aos demais orgãos patrimoniais e ao CAU/GO, o Docomomo Brasil emite uma nota de repúdio a demolição do edifício da antiga Celg.

Manifestação do Docomomo Brasil:

Demais manifestações sobre o caso:

Parecer para Dossiê de Tombamento do edifício construído para sede da Celg – Arq. Urb. Lucas Jordano (12/05/2019)

Manifestação direcionada à 15ª Promotoria de Justiça de Goiânia (12/03/2020)

Nota de repúdio sobre a demolição do edifício da Celg no setor Oeste, em Goiânia (17/12/2021)

Captura do edifício antes do seu estado de abandono. Foto: Ruy Rocha
Captura do edifício em estado de abandono. Foto: Roberto Cintra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.