LANÇAMENTO: REVISÕES HISTORIOGRÁFICAS – ARQUITETURA MODERNA NO BRASIL (Org. Ruth Verde Zein)

REVISÕES HISTORIOGRÁFICAS: ARQUITETURA MODERNA NO BRASIL (versão impressa)
Historiographical Revisions: Modern Architecture in Brazil (printed version)

Editora RioBooks
Adquira já o seu em: https://www.riobooks.com.br/pd-8fdd41-revisoes-historiograficas-historiographical-revisions-arquitetura.html?ct&p=1&s=1

LANÇAMENTO PRESENCIAL
QUINTA, 07 DE ABRIL DE 2022, DAS 17 ÀS 20H
CASA VILANOVA ARTIGAS – RUA BARÃO DE JACEGUAI, 1151, CAMPO BELO, SÃO PAULO

(mais…)

Anais do 14° Seminário Docomomo Brasil – Belém (2021)

Anais do XIV Seminário Docomomo Brasil
Belém, 27 a 29 de outubro de 2021 (EVENTO ONLINE)

Tema: 
O MODERNO EM MOVIMENTO: USOS, REUSOS, NOVAS CARTOGRAFIAS.
Presente e futuro do legado da arquitetura moderna no Brasil

(mais…)

REVISÕES HISTORIOGRÁFICAS: COMO RELER OS CLÁSSICOS?

Palestrante: Ruth Verde Zein
Debatedora: Maria Cristina Cabral

(mais…)

Falecimento do Professor Doutor Mario Henrique Simão D’Agostino

É com imenso pesar e tristeza que a FAUUSP informa o falecimento do Professor Doutor Mario Henrique Simão D’Agostino, o querido Maíque.
Nossos profundos sentimentos à família e amigos.

(mais…)

O modernismo na arquitetura brasileira

Mais uma sessão do ciclo de palestras “O modernismo na arquitetura brasileira”:
(mais…)

Prêmio Global Award of Sustainable Architecture

O Prêmio Global Award of Sustainable Architecture é organizado pela Cité d’architecture et du Patrimoine desde 2006 e a cada ano premia cinco profissionais com destaque global.

(mais…)

Apresentação do primeiro volume da Coleção de Documentos de Arquitetura Moderna: Templos da Modernidade

Estimados amigos,
Com satisfação, nós da UPC Alumni IForm Club – International Modern Form, da Vice-Reitoria de Pesquisa e Doutorado da Universidade de San Sebastián, e da Faculdade de Arte e Design e da Escola de Arquitetura da Universidade de San Sebastián, com sede em Concepción, convidamos você para a apresentação do primeiro volume da Coleção de Documentos de Arquitetura Moderna, intitulado Templos da Modernidade.
A apresentação, totalmente online, será no dia 22/09/2021, às 17h30 (Espanha). Estará a cargo de Teresa Rovira (IForm UPC), Claudia Rueda (CUAAD University of Guadalajara) e Valentina Ortega (EAUSS CCP Chile), e contará com apresentações de Horacio Torrent (DOCOMOMO Chile Presidente), Lourdes Cruz (DOCOMOMO México) e Félix Solaguren (Diretor da ETSAB).
Será transmitido pela plataforma da Universidade de San Sebastián, sede de Concepción.
Você pode participar da apresentação por meio do link da plataforma BlackBoard Collaborate: https://us.bbcollab.com/guest/fc27ce0a922c4c309719b0ffd923831f

COLEÇÃO DOCUMENTOS DE ARQUITETURA MODERNA

TITULO:
COLEÇÃO DOCUMENTOS DE ARQUITETURA MODERNA
VOLUME 1 TEMPLOS DA MODERNIDADE
Os Documentos de Arquitetura Moderna são um conjunto de publicações que, através da investigação de diferentes tipos de obras, pretende aprofundar o conhecimento dos valores da modernidade e estudar a sua validade na atualidade.
Neste primeiro volume, intitulado Templos da modernidade, quatorze autores abordam o estudo e a herança da arquitetura religiosa moderna em diferentes latitudes.
Por meio de sua pesquisa, será possível acessar obras que transcendem seu tempo e nos apresentam uma variedade de soluções programáticas, sistemas construtivos, formas e relações com o contexto, cuja precisão e ousadia permanecem como fonte de inspiração até hoje.
AUTORES BRASILEIROS PRESENTES NA OBRA:
1) Alcília Afonso de Albuquerque e Melo
Artigos:
A TECTÓNICA DE LA MODERNIDAD EN UNA OBRA RELIGIOSA DEL ARQUITECTO JOÃO FILGUEIRAS LIMA LA IGLESIA DEL CENTRO ADMINISTRATIVO DE BAHÍA, BRASIL,1975
ARQUITECTURA Y LUGAR CAPILLA DE SAN PEDRO
2) Fábio Müller: EL SAGRADO POR UN ATEO, UNA CATEDRAL POR OSCAR NIEMEYER
3) Rudivan Catani. Artigo: LOS TEMPLOS DE HANS BROOS

MANIFESTO CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA ANTIGA SEDE DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO NO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO AGAINST THE PRIVATIZATION OF THE OLD HEADQUARTERS

OF THE BRAZILIAN MINISTRY OF EDUCATION IN RIO DE JANEIRO

Via the Ministry of Economy and the Ministry of Labor and Welfare, the Bolsonaro Government wants to privatize a group of properties belonging to the Union. The “star of the auction” is the Palacio Capanema, which was headquarters of the Ministry of Education until the capital was transferred to Brasília. An initiative of Gustavo Capanema, Minister of Education of the Vargas Government, it is remarkable for its aesthetic, technical, landscape and urban innovations. A landmark of modern architecture in Brazil and in the world, it is an internationally recognized masterpiece of 20th century art.

(mais…)

Paulo Mendes da Rocha receberá a Medalha de Ouro 2021 da União Internacional do Arquitetos (UIA)

Foi anunciada ontem (04/05) a decisão do júri que concederá a Medalha de Ouro 2021 da UIA ao arquiteto Paulo Mendes da Rocha. A entrega oficial será realizada durante o Congresso Mundial de Arquitetos em julho deste ano.

O júri “apreciou o trabalho único de Mendes da Rocha como o de um ousado iconoclasta cujo trabalho levou a arquitetura a novos patamares de virtuosismo técnico. Seu trabalho também incorpora fortes elementos pessoais e sociais de integridade, refletidos em sua habilidade de transcender fronteiras enquanto mantém um senso fundamental de lugar conectado à sua terra natal e cultura (…) as conquistas de Paulo Mendes da Rocha, ao longo de sete décadas, ilustram claramente um compromisso que valoriza a arquitetura como gesto público”.

Paulo Mendes da Rocha, aos 92 anos, é um dos grandes nomes da arquitetura moderna paulista, reconhecido internacionalmente por sua trajetória que discute a visão social do espaço. Um dos primeiros trabalhos do arquiteto foi o projeto vencedor do concurso para o Ginásio do Clube Atlético Paulistano, realizado em 1957 com autoria conjunta de João de Gennaro, localizado em São Paulo – SP. Esta obra foi tombada pelo CONPRESP em 2004.

O Museu Brasileiro de Escultura (MuBE) é mais uma das obras reverenciadas do arquiteto. Tombado pelo CONDEPHAAT em 1986 e pelo CONPRESP em 2018, o edifício em concreto aparente parece interiorizado entre planos, uma complexa relação que se combina com o espaço urbano.

Além da medalha que receberá este ano, Mendes da Rocha já foi premiado em 2006 com o Prêmio Pritzker, em 2000 com o Prêmio Mies van der Rohe de Arquitetura Latino-americana, em 2016 ganhou o Leão de Ouro da Bienal de Veneza e o Imperiale Praemium (Prêmio Mundial de Cultura em Memória de Sua Alteza Imperial o Príncipe Takamatsu do Japão) e em 2017 a Medalha de Ouro Real do Royal Institute of British Architects (RIBA).

Texto: Jasmine Silva

Fonte: UIA 2021 Rio www.uia2021rio.archi

Núcleo Docomomo São Paulo

“Revisões e Ampliações da Arquitetura e do Urbanismo Modernos no Brasil

Divulgamos para quem tiver interesse os livros da coleção “Revisões e Ampliações da Arquitetura e do Urbanismo Modernos no Brasil”. Composta de um total de 25 textos organizados em dois volumes, este conjunto de trabalhos constituem-se em uma seleção das contribuições de pesquisadores de todo o Brasil e da América Latina elaboradas para o 13º Seminário Docomomo_Brasil, realizado na Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia entre os dias 7 a 10 de outubro de 2019 e organizado pelo Docomomo_Brasil Núcleo Ba.Se.

Mais informações sobre o conteúdo dos livros, podem ser encontradas no link abaixo:

Aproveitamos também para divulgar a publicação do livro “El Brasil y el movimiento moderno en América Latina. Circulación de ideas, aproximaciones y críticas” que explora e evidencia as relações, influências, impactos e críticas ao Brasil entendidos em perspectiva latino-americana e através de casos nacionais ou específicos. Ou seja, interessa-nos ampliar e discutir como a produção arquitetônica e urbanística brasileira foi vista e percebida pelos profissionais dos países latino-americanos, além de identificar as formas de circulação, as redes profissionais estabelecidas e as reverberações locais dessa produção.
Mais informações sobre o conteúdo do livro pode ser encontradas no link a seguir:
A compra de exemplares pode ser realizada através do e-mail: lab20ufba@gmail.com

Nota sobre o incêndio no edifício Jorge Machado Moreira (FAU-UFRJ)

No dia 20 de abril de 2021, o edifício Jorge Machado Moreira, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro sobreu um incêndio parcial, no qual foi destruída a parte administrativa e partes das instalações do Núcleo de Pesquisa e Documentação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (NPD/FAU-UFRJ), afetando os documentos que compõem seu acervo.

Agradeço imensamente vossa manifestação, em nome da Coordenação Nacional do Docomomo Brasil.

Estamos atentos à situação do Edifício Jorge Machado Moreira. A vice-coordenação do Docomomo Brasil está situada no PROURB, localizado no edifício.
Eu mesmo estava no prédio na hora do incêndio, pois participava de um concurso de professor pela Escola de Belas Artes, no terceiro andar. Tivemos que sair às pressas, escoltados pelos bombeiros, e transferir o concurso para o prédio das Letras. Depois veio a preocupação com a situação do NPD. No início da tarde soubemos que os acervos estavam preservados. Sabemos o quanto é frágil a situação do edifício. Muito já se tentou chamar a atenção de sua conservação e para o perigo de suas instalações. Mas, também sabemos o quão ainda mais frágil tem sido a situação de nossas universidades, sobretudo neste governo, que corta recursos para a Educação. Continuaremos a lutar por este e outros edifícios representativos do Movimento Moderno. É nosso dever.
Aproveito para informar que as carteirinhas dos membros filiados 2021 chegaram de Portugal e que em breve serão distribuídas.
Um grande abraço a todos,
Renato Gama-Rosa
Coordenador Docomomo Brasil

A IMAGEM DA JUSTIÇA NO FÓRUM DE CUIABÁ

Figura 1- Vista do Fórum de Cuiabá

Foto: R. Castor, 2021.

Ricardo Silveira Castor[1]

José Afonso Botura Portocarrero[2]

NAMA – Núcleo Arquitetura Moderna na Amazônia[3]

Surpreende, negativamente, a reforma que emparedou o Fórum de Cuiabá, com seus altos muros decorados com aparato de luzes que se vê à noite. O edifício – cujos semelhantes são chamados de Palácio da Justiça no Brasil –, assume a aparência de um shopping center ou de casa de diversões noturnas, pelo colorido que mais o aproxima ao cenário de Las Vegas que de um centro cívico como o CPA – Centro Político-Administrativo do Mato Grosso.

Edifícios do judiciário são monumentos que representam um dos poderes da democracia. Os arquitetos, ao longo da história, procuraram atribuir importância e caráter próprios a esses prédios, coerentes com o espírito, a personalidade, a moral e a ética, o tempo e o lugar, simbolizando na paisagem urbana o que se processa em seu interior.

Uma pessoa, ao examinar Palácios da Justiça, constatará que predomina a sobriedade – que não se confunde com monumentalidade –, qualquer seja o porte da sede do judiciário. No passado, era usual que fóruns fossem desenhados com expressão dórica, um estilo despojado da Grécia antiga, firmado na Arquitetura como um cânone.

Assim como os cânones jurídicos se modificam com o tempo, acompanhando o fluxo da vida, das sociedades, das culturas, a Arquitetura se renova com os mesmos insumos que acionam a modernização das leis – e, muitas vezes, premonitoriamente.

O Fórum de Cuiabá foi projetado por uma equipe liderada pelo arquiteto Marcelo Suzuki, Professor da Universidade de São Paulo que, com colegas da Engenharia da USP, desenvolveram uma obra pioneira nos campos da Arquitetura e da Engenhara, em seus aspectos funcionais, estruturais e bioclimáticos.

Diferentemente da anacrônica ideia de que Palácios de Justiça são edifícios suntuosos, com acabamentos nobres e caros, ostentações que remotamente justificavam um espaço interior chamado “salão dos passos perdidos”, para afligir seus usuários, o Fórum de Cuiabá foi pensado como um espaço aberto, no qual horizontalidade e permeabilidade são metáforas do acesso ao Direito por todos.

O projeto primava pelo que na Arquitetura se chama de fluidez dos espaços, não só pela liberdade de circulação das pessoas nos ambientes internos e externos, como também pela abertura e integração visual entre o exterior e o interior. No clima cuiabano, as sombras e aragens eram parte da paisagem interna do Fórum, mediante elementos sombreadores nas fachadas e nas coberturas, protetores da inclemência do sol direto e que não impediam a passagem de brisas, contribuindo para refrescar naturalmente o ambiente. Se essas brisas não bastam para oferecer a sensação térmica que autoridades e membros do judiciário julgam como confortáveis para as atividades nos tribunais e salas de trabalho, a ventilação permanente nas áreas abertas diminui a carga dos equipamentos de ar-condicionado nos ambientes climatizados, reduzindo o consumo de energia do edifício como um todo. O arejamento é polissêmico: da justiça, da liberdade de circulação, da sustentabilidade do edifício – valores que a sociedade deveria eleger como prioritários no quadro atual de deterioração do diálogo entre Arquitetura e Natureza, sobretudo em um Estado-chave nesse quesito, como o de Mato Grosso.

Eram os ares que respirava o Fórum de Cuiabá em sua inauguração em 2005, como uma referência da arquitetura do judiciário dos novos tempos, que os recentes muros e vidraças em torno do Fórum passaram a sufocar. Um edifício conceituado para simbolizar a justiça para todos, sintonizado com as tecnologias contemporâneas de eficiência e sustentabilidade, assume agora a cenografia de um centro comercial murado, exuberante na noite como um cassino ou um shopping center. Substitui-se a dignidade arquitetônica original de transparência, luminosidade e sobriedade, por uma pouca condizente aparência de artificialismo e opacidade, mais afeita aos templos do consumo e da diversão. Condição absolutamente não apropriada com a imagem do principal edifício da Justiça do Estado de Mato Grosso.

O prédio do Fórum de Cuiabá ganhou o Prêmio Rino Levi na 17ª Premiação Anual do Instituto de Arquitetos do Brasil/Departamento São Paulo, de 2006, na principal categoria de obra construída. É mencionado como caso de sustentabilidade na página da ONG Green Nation <http://s3.amazonaws.com/gnfest/documents/arquivos/203/original_forumCuiaba.pdf>. Foi analisado na tese de doutoramento de Ricardo Silveira Castor, defendida na Universidade e São Paulo. Trata-se de uma obra de reconhecida vocação, importância e responsabilidade social e ambiental em sua nascença, no campo profissional e ambiental. A alteração no projeto original do Fórum de Cuiabá consternou o NAMA, como um retrocesso pela destruição de um patrimônio cultural mato-grossense.

[1] Arquiteto, Professor da Universidade Federal do Mato Grosso, Doutor pela Universidade de São Paulo.

[2] Arquiteto, Professor da Universidade Federal do Mato Grosso, Doutor pela Universidade de São Paulo. Autor do projeto duplamente premiado no Breeam Awards concedido em Londres, como melhor edifício sustentável nas Américas em 2018, pelo prédio do Centro Sebrae de Sustentabilidade de Cuiabá.

[3] NAMA – Núcleo Arquitetura Moderna na Amazônia, é um coletivo temático que reúne arquitetos, pesquisadores e artistas interessados na documentação e preservação da modernidade na Amazônia Legal, sediado na UFAM – Universidade Federal do Amazonas.

Nota de Falecimento: Professor Flávio Villaça

É com pesar que lançamos essa manifestação em razão do falecimento do arquiteto, urbanista e professor Flávio Villaça, ocorrido na segunda-feira, dia 29 de março de 2021, em São Paulo, aos 91 anos de idade.

Referência fundamental à análise da produção dos espaços urbanos, deixa um legado incomensurável, em sua atuação como docente na FAU USP, na Secretaria Municipal de Planejamento de São Paulo e como consultor em planejamento urbano em diversos órgãos públicos. Sua produção teórica,  dentre as quais se destacam “O que todo cidadão precisa saber sobre habitação” (1986), “Espaço intra-urbano no Brasil” (1998), “As ilusões do Plano Diretor” (2005) e “Reflexões sobre as cidades brasileiras” (2012), constituem referência obrigatória para aqueles que querem compreender a segregação sociourbana, característica perversa de nossa urbanização. Sempre disposto ao diálogo com colegas e estudantes, suas palestras eram verdadeiros eventos de engajamento em prol do compromisso do  social que deveria mover os arquitetos urbanistas.

“Sempre marcada por constante inquietação intelectual, a trajetória deste pesquisador nato, especialmente voltado ao tema do espaço urbano, está vinculada tanto a suas práticas profissionais quanto a sua trajetória acadêmica, antes mesmo de seu ingresso como docente na Universidade de São Paulo” – assim Sérgio Luis Abrahão e Silva Maria Zioni sintetizaram o curriculum de Flávio Villaça no artigo “Uma trajetória dedicada ao planejamento urbano brasileiro”, publicado no portal Vitruvius em 21 de novembro de 2020.
O Núcleo Docomomo Brasil manifesta seus pêsames à todos os familiares e amigos do querido e grande Professor Flávio Villaça.

“El Brasil y el Movimiento Moderno em América Latina. Circulación de ideas, aproximaciones y críticas” organizado pelo Prof. José Carlos Huapaya Espinoza

EL BRASIL Y EL MOVIMIENTO MODERNO EN AMÉRICA LATINA

Circulación de ideas, aproximaciones y críticas

El Brasil y el movimiento moderno en América Latina. Circulación de ideas, aproximaciones y críticas explora e evidencia as relações, influências, impactos e críticas ao Brasil entendidos em perspectiva latino-americana e através de casos nacionais ou específicos. Ou seja, interessa-nos ampliar e discutir como a produção arquitetônica e urbanística brasileira foi vista e percebida pelos profissionais dos países latino-americanos, além de identificar as formas de circulação, as redes profissionais estabelecidas e as reverberações locais dessa produção.

Este livro se compões de textos de pesquisadores latino-americanos e é resultado de uma reflexão sobre como essa temática vem sendo abordada nos Seminários Docomomo_Brasil desde a sua primeira edição em 1995 até o 13º Seminário realizado entre os dias 7 a 10 de outubro de 2019, na Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Nesse sentido, alguns dos textos que compõem esta coletânea resultam de uma seleção de trabalhos apresentados nesses seminários (revisados e ampliados) que nos mostram como as possibilidades e articulações do Brasil com os outros países do continente têm sido ainda pouco exploradas.

O livro patrocinado pelo CNPq foi organizado pelo Prof. José Carlos Huapaya Espinoza e foi editado pelo PPGAU/UFBA e a EDUFBA e traz as contribuições de Anahi Ballent, Hugo Mondragón, Louise Noelle Gras, Mario Guidoux, Guilah Navslavsky, Fernando Lara, María Aydos, Renata Ramos, Eunice García, José Carlos Huapaya Espinoza e Daniel Merro. O sumário pode ser acessado aqui.

O lançamento dos livros ocorrerá no Congresso Virtual da UFBA 2021 e no VI ENANPARQ. Mais informações sobre os livros podem ser encontradas nos links:
 
Para adquirir algum dos exemplares, a venda será feita através do e-mail: lab20ufba@gmail.com

Coleção Revisões e Ampliações da Arquitetura e do Urbanismo Modernos no Brasil, organizada pelo Prof. José Carlos Huapaya Espinoza

REVISÕES E AMPLIAÇÕES DA ARQUITETURA E DO URBANISMO MODERNOS NO BRASIL

A coleção Revisões e Ampliações da Arquitetura e do Urbanismo Modernos no Brasil é composta de um total de 25 textos organizados em dois volumes: Parte 1. História e Historiografia / Teoria e Práticas de Intervenção, Preservação e Restauração e Parte 2. O Modernismo como Cultura / Inventário e Documentação. Este conjunto de trabalhos constituem-se em uma seleção das contribuições de pesquisadores de todo o Brasil e da América Latina elaboradas para o 13º Seminário Docomomo_Brasil, realizado na Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia entre os dias 7 a 10 de outubro de 2019 e organizado pelo Docomomo_Brasil Núcleo Ba.Se.

A realização desse evento é mais do que significativo na medida em que o Seminário volta para o mesmo local onde acontecera a primeira edição, em 1995, e que teve como tema central (Re)Discutindo o modernismo. Universalidade e Diversidade do Movimento Moderno em Arquitetura e Urbanismo no Brasil. Nesse sentido, esta coletânea de um lado, propõe não só revisar e ampliar a produção desenvolvida nos últimos 25 anos de realização dos seminários, com um olhar simultaneamente retrospectivo e, em especial, prospectivo, olhando para o futuro e apontando e preenchendo vazios da historiografia; mas, também, procura entendê-la a partir de eventuais redes e articulações nacionais e internacionais.

O primeiro volume da coleção se estrutrua em dois eixos: História e Historiografia / Teoria e Práticas de Intervenção, Preservação e Restauração. O primeiro deles coloca em discussão questões como a escrita da história e da historiografia partindo do global ao particular, ampliando e tencionando fontes, arquivos, redes de profissionais, instituições e outros agentes produtores da arquitetura e do urbanismo modernos no Brasil; além da historicização de processos e procedimentos de projeto e de construção. Já o segundo eixo volta-se para as teorias e práticas de intervenções de conservação, preservação e restauração do legado arquitetônico, urbanístico e paisagístico moderno no Brasil a partir de estudos de caso, projetos e obras.

Já o segundo volume foi organizado, também, em dois eixos: O Modernismo como Cultura / Inventário e Documentação. O primeiro dos eixos tem por objetivo refletir sobre o campo ampliado do Movimento Moderno através da circulação de seu ideário e nos diálogos estabelecidos em escalas nacionais e internacionais; interessa-nos, também, explorar os limites entre a síntese e integração das artes. O segundo eixo propõe discutir questões relacionadas à produção de inventários de obras e conjuntos modernistas e, também, às problemáticas e possibilidades surgidas a partir dos registros e digitalização de acervos, preservação de acervos documentais físicos e digitais e acesso à informação do patrimônio moderno. O sumário pode ser acessado aqui.

Esta coletânea de textos aponta para um conjunto de pesquisas emergentes que contribuem para um olhar mais alargado e diversificado do movimento moderno em arquitetura e urbanismo do país. Assim, esperamos que este livro sirva de ponto de partida e de inflexão para futuros trabalhos que se debrucem nas questões aqui abordadas.

A coleção patrocinada pelo CNPq foi organizada pelo Prof. José Carlos Huapaya Espinoza e foi editada pelo PPGAU/UFBA e a EDUFBA e traz as contribuições de pesquisadoras e pesquisadores de todo o Brasil e latino-americanos.

O lançamento dos livros ocorrerá no Congresso Virtual da UFBA 2021 e no VI ENANPARQ. Mais informações sobre os livros podem ser encontradas nos links:
 
Para adquirir algum dos exemplares, a venda será feita através do e-mail: lab20ufba@gmail.com

CAMPANHA SOS GINÁSIO IBIRAPUERA

#sosoginasioibirapuera

O Complexo Esportivo do Ibirapuera está ameaçado de extinção!

A defesa deste patrimônio paulistano é também a defesa do espaço público, do direito à prática do esporte, do lazer e da memória da arquitetura brasileira.

Você pode ajudar a impedir essa destruição, apoiando seu tombamento que será decidido pelo Condephaat no próximo dia 30/11.

Participe do abraço virtual!

 

Como fazer:

  1. Copie o texto deste email e repasse para sua lista de contatos.
  2. Peça para seus amigos fazerem a mesma operação.
  3. A partir de 23/11, segunda-feira, replique nossos posts nas suas redes sociais, marcando todos os envolvidos nesta ação!
  4. Nossos posts serão veiculados pelos perfis da @fauusp e @iab.sp (Instagram e Facebook); @icomosbr.20; @icomosbrasil (Instagram); e em @FAUUSPoficial e @iab.sp (no Twitter)
  5. Siga a hashtag #sosoginasioibirapuera
  6. Não esqueça de adicionar a hashtag #sosginasioibirapuera em todos os seus posts
  7. Multiplique essa mensagem
  8. Assine a petição https://www.change.org/preservacao-ginasio-ibirapuera
  9. Saiba mais:

https://www.uol.com.br/esporte/colunas/olhar-olimpico/2020/09/18/estado-quer-privatizar-ginasio-do-ibirapuera-mas-terreno-e-da-prefeitura.htm

https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/11/tristeza-e-indignacao.shtml

https://youtu.be/nEhbOhyYQPY

https://jornal.usp.br/radio-usp/defesa-do-complexo-do-ibirapuera-diz-respeito-ao-direito-ao-lazer-e-ao-esporte/

 

 

PALESTRA PAULO BRUNA | FAU USP

A palestra virtual acontecerá no dia 17 de novembro, às 10h, pelo link abaixo:

https://www.youtube.com/channel/UCLY-6JJqMZSCwG4xlrRZSNA

O SIRIUS é um dos equipamentos do Laboratório Nacional de Luz Sincrotron (LNLS), “a maior e mais complexa infraestrutura cientifica já construída no país e uma das primeiras fontes de luz sincrotron de 4ª geração do mundo”, em Campinas. Ainda em implantação, parcialmente em funcionamento, seu potencial de pesquisa se avalia por exemplo, pela abertura de edital em julho para propostas de cientistas de todo o mundo interessados em usar a estrutura do Sinus com experimentes que possam avançar no entendimento molecular da Covid-19.

PAULO BRUNA é Professor Titular aposentado da FAU USP. Foi sócio do escritorio Rino Lavi Arquitetos Associados de 1972 a 1991; é titular de escritorio próprio desde 1992.